Logo
Envie-nos uma mensagem agora mesmo
e agende a sua consulta ou exame

Resultado de Exames

Artigos Científicos

Effects of vitamin E and carotenoid status on oxidative stress in health and disease. Evidence obtained from human intervention studies Winklhofer-Roob, BM; Rocl, E; Ribalta, J; Shmerling, DH; Roob, JM

Molecular Aspects of Medicine, vol. 24, pp. 391-402, 2003.

A vitamina E e os carotenóides apresentam conhecida ação antioxidante, tanto in vitro. Este trabalho revisa uma série de estudos sobre pacientes saudáveis e sobre pacientes que apresentam doenças agudas e crônicas. No projeto VITAGE, criado pela União Européia, foram investigados o status e os efeitos da vitamina E e de carotenóides sobre o estresse oxidativo em 300 voluntários saudáveis. Estudos de depleção, limitando a ingestão diária de Vitamina E ou de carotenóides à aproximadamente 25% dos valores referenciais de ingestão diária e, a subseqüente suplementação, tanto com grandes doses de vitamina E, quanto com doses intermediárias de carotenóides, mostraram mudança significativa na oxidabilidade da LDL- colesterol ex vivo, nas concentrações plasmáticas totais de peróxidos e na excreção urinária de 8-oxo-7,8-dihidro-2’-deoxi- guanosina. Pacientes em hemodiálise apresentam estresse oxidativo medido pelos níveis de vitamina C diminuídos, na presença de níveis normais de vitamina E. Estes pacientes, que apresentarem anemia, eram tratados com ferro parenteral, o que possivelmente diminui ainda mais os níveis de vitamina C. Foram estudados os efeitos de dose única oral de vitamina E, 6 horas antes da infusão endovenosa de 100 mg de ferro, o que excede a capacidade de ligação de ferro da transferrina. A vitamina E diminuiu significativamente e, em combinação com dose única da vitamina C eliminou completamente, o estresse oxidativo induzido pela sobrecarga de ferro. Pacientes com fibrose cística estão expostos a estresse oxidativo crônico determinado pela superprodução de espécies reativas de oxigênio, como resultado da presença massiva de neutrófilos no pulmão inflamado e ainda, pelo decréscimo no status antioxidante. As deficiências de vitamina E e carotenóides podem ser totalmente corrigidas, mesmo na presença de má absorção de gorduras, pelo uso de doses intermediárias de RRR--tocoferol ou all-rac-acetato de -tocoferol e de all-trans -caroteno hidrossolúvel. A suplementação, por longos períodos de tempo, reduziu a oxidabilidade da LDL- colesterol ex vivo, a peroxidação lipídica in vivo e a inflamação pulmonar.